Pesquisar no blog

segunda-feira, 15 de março de 2010

Projeto Cascalheira

Recebi um email com um texto do sr. Luis Eduardo Lemos, morador do Jardins de Petrópolis e administrador do blog preservejp.blogspot.com.

No texto, ilustrado com a imagem de uma faixa onde a associação solicita bambús, o referido morador afirma que afaixa é um incentivo ao desmatamento ilegal de bambú, pois "os bambus são geralmente encontrados próximo a nascentes, margens de córregos e áreas alagadas, ou seja em áreas de proteção ambiental, onde o corte e a supressão de qualquer tipo de vegetação é proibido." E cita que um projeto "elaborado por uma universidade" prevê a utilização de bambú para contenção.

O Projeto intitulado Reequilíbrio Ambiental da Cascalheira, financiado pela PROEX/PUC Minas, foi desenvolvido pelo Escritório de Integração do Curso de Arquitetura e Urbanismo. O projeto encontra-se aqui.

Vale lembrar que o referido projeto foi premiado.

A meu ver, a faixa não incentiva o desmatamento ilegal e indiscriminado de bambú. O texto do senhor Luís Eduardo é equivocado e obtuso.

Vale lembrar que o Instituto Kairós, por exemplo, promoveu a capacitação de artesãos para o manejo e beneficiamento da matéria prima local: fibras naturais, bambú e pigmentos minerais, buscando aliar a pesquisa de novas tecnologias e do design à valorização da identidade local e dos modos próprios de fazer da comunidade.

Esse conceito, aliás, de aliar pesquisa e identidade local, também foi e é utilizado pelo Escritório de Integração no projeto para a recuperação ambiental da Cascalheira e do Jardins de Petrópolis.

O Escritório de Integração jamais orientou os moradores do Jardins a colher o bambú em qualquer lugar. No decorrer do projeto, recebemos doações de uma fazenda que cultiva bambú para artesanatos.

Penso, contudo, que crime mesmo é deixar a região desprotegida, sofrendo a ação das chuvas, principalmente.

2 comentários:

PreserveJP disse...

Sr. Marco Antônio Netto,

Sou morador do Jardins de Petrópolis há 33 anos. O meu texto, sobre a faixa colocada nas entradas do pseudocondomínio Jardins de Petrópolis, em Nova Lima, onde o pseudocondomínio pede bambus, não foi uma afirmação e sim, um questionamento. Como digo no texto, bambus se encontram principalmente em áreas de preservação permanente (APP), áreas essas que não podem ser retiradas quaisquer tipos de espécies vegetais, incluindo-se aí os bambus. No Jardins, estamos de olho... qualquer retirada de vegetação, a Polícia Ambiental e o Ministério Público serão acionados, não tenha dúvida disso.

Luís Eduardo Lemos - Movimento para preservação do patrimônio público e ambiental da região - PreserveJP - www.preservejp.blogspot.com

Marco Antonio Borges Netto - Marcão disse...

Sr. Luís,

Espero ter respondido ao seu questionamento.

O projeto do Curso de Arquitetura e Urbanismo, financiado dentro do Edital da PROEX/PUC, NÃO prevê retirada de bambus de maneira ilegal.

Os bambus são uma das ferramentas utilizadas para recuperação ambiental das voçorocas e ravinas que são encontradas no Jardins de Petrópolis.

Caso queira conhecer melhor o projeto, visite o Escritório de Integração, Avenida Dom José Gaspar, 500, Coração Eucarístico, Prédio 47, sala 108, telefone 33194154. Converse com a professora Leta, que está por dentro do projeto, desde 2004.

Cópias do projeto foram entregues à Associação e à Prefeitura de Nova Lima.

Atenciosamente,

Marco Antonio Borges.