Pesquisar no blog

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Sustentabilidade

Ilustração: Dynamic Architeture


A ilustração acima é do "Rotating Tower" em Dubai, que terá 80 andares e 420 metros de altura. Possuirá 77 geradores eólicos que permitirão a total autonomia elétrica do empreendimento.

Os geradores são considerados ambientalmente corretos e sustentáveis em se tratando de meio ambiente.

Mas a sustentabilidade restringe somente no aproveitamento adequado dos recursos naturais ou, além disso, diz respeito como esse aproveitamento é feito.

Por exemplo, no exemplo de Dubai, até quando há a necessidade de um elevador de automóveis?

Mas, ficando em exemplos mais paupáveis, vamos falar um pouco da água.

Recentemente li o texto do Edézio Teixeira intitulado "Bacia do Rio das Velhas - O assentamento sustentável do Manuelzão", do livro "Projeto Manuelzão – A história da mobilização que começou em torno de um rio”, coordenado por Apolo Heringer Lisboa, Eugênio Marcos Andrade Goulart e Letícia Fernandes Malloy Diniz.

No texto, o autor apresenta uma dado curioso e que poucos sabem: "A Terra continua, pelo contrário, ganhando água trazida por via de captura de corpos celestes que a contêm. Todavia o sistema geológico global, assimilável a um vaso fechado, pode ter partes de seus componentes migrando de um compartimento para outro dentro do vaso."

Aí você pensa, por exemplo: "Que bom! Posso furar meu terceiro poço artesiano!" Ou, "Já posso lavar o carro todos os dias!"

Não é por aí. Não há sustentabilidade com desperdício. Os compartimentos desse vazo não podem ficar de todo e por muito tempo vazios.

Isso fica claro no exemplo dado no texto: "quem tenha encontrado um bom aqüífero, tende a instalar poços e bombear água em vez de coletar e armazenar águas pluviais, por exemplo, que, além de proporcionar a própria água, encerra um aprendizado ambientalmente amplo."

Ou seja, será que precisamos de 30 litros de água por minuto para tomar banho? E de 15 litros por minuto para escovar os dentes? Mesmo aproveitando a água da chuva, é insano utilizar 19 litros para dar descarga a poucos mililitros de urina.

Como afirma Edézio, a sustentabilidade será alcançada quando reduzir os desperdícios e a reciclagem for eficiente.

Vocês sabiam que com um pouco mais de R$ 2,00 é possível comprar uma peça que mistura a água com ar? E essa mistura é duas vezes mais eficiente - molhada - que a água pura?

Ainda estou pensando qual a necessidade de um elevador para veículos.

2 comentários:

Daniel Guimaraes disse...

E a questão do "lixão" de BH?

Marco Antonio Borges Netto - Marcão - revistacrise@email.com disse...

É Daniel. É um caso sério que dá pano pra manga.
Algumas cidades aproveitam o gás metano produzido por aterros na geração de energia.
Mas creio que a solução é mesmo a reciclagem e o tratamento do lixo hospitalar e industrial.